Home » , , » Karpov: K X K da melhor qualidade

Karpov: K X K da melhor qualidade

Postado Por Paulo Henrique de Faria em 10 de janeiro de 2012 | 10:52


O XadrezBatatais da continuidade a sua nova proposta de trazer aos leitores partidas brilhantes dos grandes campeões mundiais. Dessa vez o vencedor por uma partida honrável é Karpov, nesse duelo entre dois dos maiores gênios do xadrez quem vence é o mais sólido deles. Karpov nos dá uma demonstração de sangue frio e técnica cirúrgica ao conduzir uma posição em que a receita para as pretas era esperar o ataque e no momento certo dar o contraataque. Karpov vai direto no fígado de Kasparov e aos poucos domina o final ao fazer todas as peças serem importantes no tabuleiro, como um maestro conduzindo sua orquestra Karpov vence essa bela partida.

Acompanhem com alguns detalhes essa bela obra de arte:




Anatoly Karpov nos mostra o porquê foi campeão mundial e o arqui-rival de Garry Kasparov.

Agora um pouco mais de sua história

Anatoly Evienvich Karpov, nasceu em Zlatoust, 23 de maio de 1951 e foi campeão mundial de xadrez, de 1975 a 1985, ficando durante dez anos consecutivos com o título mundial. É considerado por muitos como um dos maiores jogadores de todos os tempos.
Sagrou-se campeão mundial juvenil em 1969 e obteve o título de Grande Mestre em 1970. Ao vencer o Torneio Interzonal de Leningrado (1973), qualificou-se para disputar, no ano seguinte, o Torneio de Candidatos, que consistia em uma série de matches eliminatórios cujo vencedor apontaria o desafiante ao título mundial. Karpov derrotou, sucessivamente, a Lev Polugaevsky, Boris Spassky e Viktor Korchnoi, obtendo assim o direito a um match pela coroa suprema contra o então campeão, o legendário estado-unidense Bobby Fischer.
Fischer, todavia, desistiu de disputar a final, pois não concordava que o match tivesse um número determinado de jogos. A proposta de Bobby Fischer era de que se sagrasse campeão quem obtivesse primeiro nove vitórias, sem limite de número de jogos. Diante da desistência do campeão, o presidente da FIDE (Federação Internacional de Xadrez) à época, o ex-campeão mundial Max Euwe, proclamou Karpov campeão. Karpov tornou-se, assim, o primeiro campeão mundial de xadrez a ganhar o título sem disputar uma final.
Nos anos seguintes Karpov foi um participante assíduo nos principais torneios, vencendo-os quase sempre. Confirmava, desta forma, que merecia o título de campeão.
Em 1978, em Baguio City (Filipinas) e em 1981, em Merano (Itália), Karpov manteve o título máximo derrotando a Korchnoi, que fora o vencedor do Torneio de Candidatos em 1977 e em 1980.
Em 1984 Karpov defendeu seu título diante de seu compatriota Garry Kasparov. O match não chegou ao final. Depois de 48 partidas realizadas, já no início de 1985, Karpov vencia por 5 jogos a 3, com 40 empates, precisando de mais uma vitória para manter o título. Diante da perspectiva de a luta prolongar-se, e tendo em vista o estado de exaustão de ambos os jogadores, o então presidente da FIDE, Florencio Campomanes, em circunstâncias até hoje não inteiramente esclarecidas, deu o match por encerrado, com a condição de que um novo match seria disputado ainda em 1985.
Neste segundo match Karpov foi derrotado por Kasparov, perdendo assim o título mundial após dez anos de reinado. Tentou reaver o título por três vezes diante do mesmo adversário, em 1986, 1987 e 1990, sem sucesso.
A despeito dessas derrotas, todas bastante apertadas, ao longo da década de 1990 Karpov seguiu sendo um dos principais jogadores do mundo. Conseguiu o feito histórico de alcançar o rating performance de 2984, no tradicional torneio de Linares, ficando 2,5 pontos à frente de Kasparov.
Em 1993 Kasparov retirou-se da disputa do título mundial da FIDE e criou uma nova associação, como resultado da qual o título mundial de xadrez permaneceu dividido por 14 anos. Com Kasparov fora da disputa, Karpov recuperou o título da FIDE, que manteve até 1999. Nesse ano foi sua vez de retirar-se da disputa, por discordar do novo formato estabelecido pela FIDE para determinar o campeão. Depois disso, Karpov abandonou aos poucos o xadrez competitivo.
Portador de um estilo único de jogo, Karpov foi bastante influenciado por três campeões mundiais: foi responsável pelo estudo científico de aberturas em desuso na sua época (as mesmas jogadas pelo seu ídolo, José Raúl Capablanca); desenvolveu conceitos de superproteção de casas agudas e estudos sobre reposicionamento das peças (estudo iniciado por Tigran Petrosian); e por fim tornou-se o jogador de maior conhecimento em finais de jogo, sendo assim considerado por atletas notáveis, como Garry Kasparov e Vassily Smyslov.

Referências bibliográficas:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Anatoly_Karpov

Vejam também:
http://www.xadrezbatatais.com/2012/01/kasparov-maquina-dos-tabuleiros.html


©Conteúdo protegido por direitos autorais. Texto produzido pela equipe Xadrez Batatais. Imagens e informações coletadas a partir das fontes acima citadas. Todos os direitos reservados.
Plágio é crime. Se deseja reproduzir essa postagem em seu blog/site, por favor entre em contato antes através do e-mail contato@xadrezbatatais.com
Compartilhe este artigo :

+ comentários + 2 comentários

30 de janeiro de 2012 22:03

Sem dúvida uma bela partida, aliás o Karpov sempre foi meu ídolo. Um abraço, Alexandre Moojen, enxadrista, administrador de empresas e corretor de imoveis. Lagoa Vermelha/RS

30 de janeiro de 2012 22:48

Obrigado pelo comentário Alexandre...O Karpov certamente foi um daqueles grandes gênios do xadrez, que fez diferença na interpretação e entendimento do xadrez de vários aficionados, incluindo alguns grandes jogadores. Continue a nos acompanhar. Abraços!

Postar um comentário