Home » , » Defesa Siciliana: Borys Spassky x Robert Fischer

Defesa Siciliana: Borys Spassky x Robert Fischer

Postado Por Paulo Henrique de Faria em 26 de agosto de 2011 | 08:21

Spassky,Boris V (2660) - Fischer,Robert James (2785)
World Championship 28th Reykjavik, 31.08.1972 

Eis a última partida do match de 1972 valendo o título mundial. Partida essa que consagrou ainda mais o grande gênio Bobby Fischer. Segue comentários de alguns fortes jogadores da época. Espero que gostem!!

1-e4 c5  A defesa Siciliana mostra facetas para todos os gostos. Mas Fischer, seguramente elegeu uma linha de poucos riscos, bem distante, por certo, do espirito de luta das variantes anteriores (Pilnik).
2-Cf3 e6! Isto difere de todo o jogado anteriormente neste match. (Gligoric)
Com esta jogada Fischer indica que não quer guerra. É a variante mais sólida contra as diversas linhas de ataque das brancas e podem derivar em uma Paulsen Antiga ou uma Taimanov. O que se jogou resultou em uma mescla de ambos os temas. (Pilnik)
3-d4 cxd4  4-Cxd4 a6
Esta versão da Paulsen foi jogada por Petrosian contra Fischer no match final do Torneio de Candidatos celebrado em Buenos Aires, e o Grande Mestre Soviético se saiu mal. (Gligoric)
5-Cc3 Também se pode jogar 5- c4, que leva a um jogo posicional, mas as circunstancias (o score adverso no placar) obrigam a Spassky tomar a iniciativa. (Pilnik)
Muitas são as continuações  que ensaiaram contra a Paulsen. Spassky jogou em muitas ocasiões 5-Bd3, mas aqui elegeu a rápida mobilização de suas peças menores. (Toran)
5-..., Cc6 o corrente é 5...,Dc7, mas Fischer sempre gostou de desviar-se dos caminhos mais trilhados. Esta ordem especifica de jogadas foi praticada com relativa frequência pelo GM Soviético Mark TAIMANOV. (Gligoric)
6-Be3 Cf6 As pretas evitam a perda de um tempo de desenvolvimento com a usual Dc7 e se prepara para reacionar no centro, (Gligoric)
7-Bd3 A intenção é evidente: Invadir o flanco do rei (Pilnik) A alternativa é 7-Be2 para continuar com 0-0 e o avanço temático f4, com o que pode derivar a luta até a variante Scheveningen. (Toran)
7-...,d5 Surpresa. Fischer quer liquidar já com a tensão. Fischer prefere ficar um pouco inferior em troca da segurança. O desenvolvimento da partida revelará que Spassky não estava preparado para explorar esta escolha de Fischer.(Pilnik)
Uma jogada ativa, que se emprega poucas vezes, o que nos mostra o espirito aberto a aventura do GM americano. Fischer sempre investiga entre as ideias antigas ou busca novos caminhos quando se prepara para as competições.(Toran)
8- exd5 exd5! Uma surpresa a mais. Algo mais cauteloso seria 8-..., Cxd5
E temos na partida o tema do famoso peão isolado: debilidade esta que a partir de Capablanca pareceu converter-se em pecado mortal. Contudo Fischer procede de acordo com a rigorosa lógica. As peças brancas não estão dispostas harmonicamente para explorar para explorar a debilidade de imediato, para tal precisam se reagrupar.(Pilnik)
O melhor; depois de 8-..., Cxd5 9-Cxd5 Dxd5 10- 0-0, a dama preta ficaria exposta no centro e é evidente que não seria possível 10-..., Cxd4 11-Bxd4 Dxd4 a causa de 12- Bb5+ ganhando a dama. Fischer não temia isolar seu peão de dama. (Toran)
9- 0-0 Bd6! Ameaça-se 10-..., Cg4. O bispo de rei branco não está bem colocado para atacar o peão isolado de Fischer. O que dá carta branca a Fischer e além do mais limita a atividade do Cavalo de dama branco. (Gligoric)
Resulta desnecessário assinalar que Bobby se encontra em terreno conhecido. E isto é parte de sua investigação. Por isso não jogou 9-...,Be7, jogada que permitiria 10- Cf5 entrando nos temas clássicos favoráveis as brancas. (Pilnik)
Segue jogando Fischer de forma ativa em lugar do natural 9-...,Be7. (Toran)
10- Cxc6 Spassky parece que não viu outra forma de ativar seu par de bispos,. Esse lance reforça o peão preto na coluna de dama. (Gligoric)
Era preferível 10- Bf5 para seguir com Df3, coisa que antes não era possível. Considero que Cxc6 seja um erro. Justifica a jogada anterior das pretas, e de forma gratuita faz desaparecer a debilidade do peão isolado, além de deixar a coluna b para um eventual contrajogo. Fica difícil explicar os motivos que teve Spassky para adotar tal decisão. (Pilnik)
10-...,bxc6 11- Bd4
Essa era a ideia do preto. Fischer não tem problemas, já que se encontra em uma posição similar a resultante da abertura escocesa depois de: 1- e4 e5 2- Cf3 Cc6 3- Cc3 Cf6 4- d4 exd4 5- Cxd4 Bb4 6-Cxc6 bxc6 7-Bd3 d5 8-exd5 cxd5 9- 0-0 0-0 10-Bg5 c6 11-Df3 Bd6 12- Tae1 h6 13- Bxf6 Dxf6 14-Dxf6 gxf6. Isso e o que ocorre na partida é praticamente o mesmo com uma ligeira diferença, que o bispo de dama branco realiza um itinerário diferente para cumprir o mesmo proposito, e que o peão torre da dama preto avançou uma casa. (Gligoric)
11-...,0-0
Naturalmente não 11- ...c5? por 12- Bxf6 e as pretas ficaria com peões colgantes em c5 e d5(Gligoric)
12- Df3 A mesma estratégia  que na abertura escocesa. (Gligoric)
12-..., Be6! Defendendo o peão de dama. Seria prematuro 12-..., Cg4 13- h3 Ch2? (ou 13-..., Dh4 Tfe1!)  14-Dh5 g6 15- Dh6 ganhando um tempo com a ameaça de mate. (Gligoric)
Fica clara a intenção de c5 para ativar os peões. Naturalmente 12-...Bg4 era um erro grave devido a Bxf6 ganhando(Pilnik)
13-Tfe1 Um velho dilema: qual das torres mover? A jogada do texto é duvidosa e sem objetivo. Gosto de h3 ou Bxf6, para jogar Tad1.(Pilnik)
13-...,c5 A reação central se põe em marcha. (Pilnik)
Audaz e incisivo.  Em troca de debilitar seus peões, as negras ficam com o par de bispos, o que lhes brinda adequada compensação.(Toran)
14-Bxf6 Forçado. Com a esperança de conseguir um final melhor de peão dobrado. (Pilnik)
14-...Dxf6 15- Dxf6 gxf6 16-Tad1
Começa o assédio sobre o peão de d, de novo, ponto vulnerável do jogo preto (Toran)
16-..., Tfd8 É estranho, como uma abertura semi-aberta deu lugar a um sistema aberto da abertura escocesa, com uma posição quase idêntica e um final de características parecidas ao da mencionada abertura. Também é verdade que as brancas ao iniciar sua primeira jogada nunca pensaram que se podia chegar a isto. (Gligoric)
17- Be2 Tratando de pressionar sobre o peão de d ao seguir com Bf3.
Fischer, novamente opta pela defesa ativa, contra-atacando na ala da dama. (Toran)
17-...,Tab8 18-b3 se 18-Cxd5? Bxd5 19-Txd5 Bxh2+
18-..., c4! Com desagradáveis ameaças. Mas Spassky havia previsto a posição. (Pilnik)
Forte jogada, com o que Fischer planeja a ameaça 19- Bb4 que resolve todos os problemas. (Toran)
19- Cxd5!
Uma surpresa. O sacrifício parece correto, já que as brancas obterão dois peões passados no flanco da dama e não podem perder. (Gligoric)
Aqui temos a resposta. O campeão joga oito ou oitenta, fiel a seu espirito lutador. Busca sua chance entregando a qualidade e confiando em seu peões passados que restariam na ala da dama. Esta jogada desconcertou a muitos mestres, e alguns a julgaram como erro ou ato de desespero. Nada mais distante da verdade. Spassky optou por uma fina manobra e de longo alcance, somente frustrada por um erro no final. Do contrario como mínimo haveria empatado.(Pilnik)
19-..., Bxd5 Nesse momento Fischer leva em seu relógio meia hora de vantagem, fator muito importante nas complicações seguintes. (Pilnik)
20-Txd5 Bxh2+ 21- Rxh2 Txd5 22-Bxc4 Td2! Atacar é a melhor defesa.(Gligoric)
23- Bxa6 Seguindo com a ideia, outra possibilidade era 23- Te7 Txc2 24-Bxf7+ Rf8 25-Ta7 Txa2 26-Bc4 com boas possibilidades defensivas. (Toran)
23-...,Txc2
O preto deve diminuir o número de peões na ala da dama. (Gligoric)
24-Te2 De outro modo a vantagem material estaria do lado preto. (Gligoric)
Obrigada para manter os peões livres. É possível que as análises de Spassky tenham chegado até aqui com clareza. (Pilnik)
24-...., Txe2 25- Bxe2 Td8 26- a4 Td2 27- Bc4 Ta2!
Formidável, imobiliza os perigosos peões e assegura o empate, mantendo algumas possibilidades práticas. (Pilnik)
28-Rg3 Rf8 29-Rf3 Re7 30 g4?
Inexplicável erro. Apuro de tempo? Depois de 30-g3 as brancas não devem perder o final, agora Fischer tem chances.(Pilnik)
30-...,f5! Ponho um sinal de admiração pois esta jogada é quase natural, e não escaparia ao mais discreto mestre. Quem não quer liberar um peão? Sobretudo tratando-se do de torre, tema de problemas artísticos e dores de cabeça na prática.(Pilnik)
31- gxf5 Não há nada que fazer. Pior seria 32-g5, f6, etc.(Pilnik)
31-...,f6 As negras dispõe agora de um peão passado. (Gligoric)
32- Bg8 Demasiado tarde. O peão livre já é perigo real. (Pilnik)
32-...,h6 33- Rg3
De nada serviria a viagem do rei para apoiar os peões, sempre chegará tarde. (Pilnik)
33-...,Rd6 34- Rf3 Ta1 35- Rg2 A ameaça era 35- Tg1 para cortar caminho ao rei branco até o peão passado de h.(Gligoric) 35-..., Re5 36-Be6 Rf4 37- Bd7
As brancas tem problemas para não entrar em zugzwang.(Gligoric)
37-..., Tb1 Fischer joga para ganhar.(Gligoric)
38- Be6 Tb2
Se 38-Rg4 as brancas responderiam com 39-Bg8 e Fischer não pode tomar o peão a causa de Bh7. Com a jogada do texto, as pretas tiram a torre de uma casa branca. (Gligoric)
39-Bc4! Ta7 Outra vez não 39-Rxf5 por causa de 40-a5 Ta2 41-a6.(Gligoric)
40-Be6 h5! A partida foi adiada no lance 40 e as brancas selaram sua jogada 41-(Gligoric)
Aqui se suspendeu. E Spassky selou com o último erro.
41- Bd7? E abandonam as brancas.
Uma posição para a história
Spassky abandonou a partida pelo telefone. Com esta jogada sua sorte termina. Era imprescindível 41-Rh3 e se Txf2 42-a5 Ta2 43-a6! Txa6 44-Rh4 e empate.
O lance 41- Bd7 perde para Rg4 42-Bb5 h4 43- Bc4 (única já que 43-Bd7 h3+ 44-Rg1 Ta1+ 45-Rh2 Tf1 ganhando) 43-...,h3+ 44-Rg1 Rxf5, etc.
Em síntese, uma partida com seu final emocionante. Seu resultado coroa a um novo campeão mundial:o genial Bobby.(Pilnik)
Resultado final:
Borys Spassky (URSS) 8,5

REYKJAVIK, Y AHORA BOBBY FISCHER- CAMPEON DEL MUNDO 1972, P.233-237
Compartilhe este artigo :

Postar um comentário